Últimas Notícias

Todas as notícias

Peça espírita “Um Amor de Renúncia” é atração neste sábado no Teatro Municipal

Neste sábado, às 20h, a Rama Kryia Produções se apresenta no Teatro Municipal “Waldir Silveira Mello” com o espetáculo “Um Amor de Renúncia”, que com texto baseado no romance “Renúncia” de Chico Xavier, adaptado por Alberto Centurião e dirigido por Lucienne Cunha, com trilha sonora assinada por Markinhos Moura.

Com cenários e figurinos que recriam o século XVII, há sete anos a montagem tem circulado pelo Brasil com grande êxito de público, narrando a saga familiar de Madalena Vilamil e sua filha Alcione ao longo de quatro décadas. A adaptação faz um recorte neste painel para contar a história do amor impossível de Alcione e Padre Carlos, que tem como pano de fundo a Santa Inquisição na Espanha e na França.

O amor entre uma jovem e um padre parece algo proibido e complicado. Quando este amor ocorre durante o final do século XVII, em pleno período da Santa Inquisição, a situação torna-se um tanto mais difícil. Este é o pano de fundo de “Um Amor de Renúncia” um romance que conta a história do amor impossível de Alcíone e Padre Carlos. Amor impossível, porém invencível, pois mesmo após tantos desencontros da vida, após tantas renúncias, amaram-se até o fim.

RAMA KRIYA

“Tropicanalha Uma Comedia Corrupta” e “O Casamento da Dona Baratinha” ambos de Aziz Bajur, “Laços Eternos”, “O Amor Venceu” (há 21 anos em circulação), “O Advogado de Deus” e “Esmeralda”, ambos de Zíbia Gasparetto, “Renúncia” de Chico Xavier, “É Impossível Morrer” de Ricardo O. Forni e “Um Amor de Renúncia”, baseado na obra “Renúncia” de Chico Xavier e adaptado por Alberto Centurião, são alguns dos espetáculos já produzidos pela Rama Kriya Produções, importante produtora de teatro paulistana em atividade desde 1992 e que, em mais de duas décadas atuando no contexto cultural, orgulha-se de ter levado seus espetáculos e shows para mais de 320 cidades em quase todos os estados brasileiros.

Duração: 75 minutos. Livre. Ingressos à venda a partir das 13 horas na bilheteria do Teatro: R$ 60,00 (inteira), R$ 30,00 (meia).

“Cantando por Elas” dias 21 e 22 de outubro no Teatro Municipal de Marília

Depois do bem-sucedido show “Caetaneando”, que esteve em cartaz pelo Brasil durante 10 anos e foi sucesso em Nova York, o cantor, compositor, diretor, escritor, dramaturgo e cineasta Luiz Duarte volta à cena agora com o “Cantando por Elas” – sucesso de crítica desde sua estréia no Rio de Janeiro – com músicas de Chico Buarque cantadas por Luiz, que assina ainda o texto e direção do espetáculo.

O espetáculo possui parceria com o Rotary Marília de Dirceu, com renda em prol do CACAM (Centro de Apoio à Criança e o Adolescente de Marília).

Sinopse:
CANTANDO POR ELAS é um espetáculo belíssimo, voltado para as emoções femininas, e para a entrega das mulheres ao sonho do amor. Com músicas de Chico Buarque, e textos do dramaturgo Luiz Duarte, durante uma hora e quinze minutos, o espetáculo passeia pelo interior da alma feminina.

É um espetáculo multimídia que demorou dois anos sendo concebido. É show porque as músicas “femininas” de Chico Buarque são interpretadas pela voz de Luiz Duarte ao violão.

É teatro, porque a atriz e performer Luiza Chásan realiza no palco – com o corpo pintado de dourado, uma performance de teatro/dança minimalista enquanto as músicas são executadas. E é audiovisual, porque os textos de Luiz Duarte são projetados ao fundo em forma de cinema.

Provavelmente, Chico Buarque é o compositor que mais se apropriou dos sentimentos femininos, de suas dores, alegrias, devaneios, esperanças, angústias, sonhos e amores, compondo canções colocandose no papel da mulher, em sua primeira pessoa.

Luiz Duarte é mais conhecido como escritor (Prêmio Jabuti de Literatura), e como diretor premiado diversas vezes. O que pouca gente sabe é que Duarte sempre foi músico a vida inteira, e liderou o movimento do disco independente no início dos anos 80, que reuniu trabalhos de grupos e compositores como Antônio Adolfo, Boca livre, Barca do Sol, e outros.

A atriz Luiza Chásan faz sua estréia estreia no palco com esse trabalho, após ser preparada durante meses pessoalmente pelo diretor Luiz Duarte.

Conceitualmente o espetáculo faz a mistura de simplicidade com sofisticação, e segue a trilha do espetáculo antecessor “Caetaneando”, que foi sucesso em todo Brasil, e considerado pela crítica de Nova Iorque, como um dos melhores shows em cartaz em Manhattan.

É um espetáculo pra quem gosta de música com arte e sofisticação.

Ficha Técnica:
Roteiro/Texto/Direção: Luiz Duarte
Músicas: Chico Buarque de Holanda
Elenco: Luiz Duarte e Luiza Chásan
Duração: 60 min
Classificação: 12 anos

“Lobo Solitário” é atração no Teatro Municipal de Marília

Hoje, às 20h, o Projeto Jovem Tour – Turnê 2016 apresenta no Teatro Municipal de Marília o espetáculo “Lobo Solitário”, inspirado no livro “As Meninas” de Lygia Fagundes Telles (em versão masculina), com texto e direção de Francis Mayer.

Hoje, às 20h, o Projeto Jovem Tour – Turnê 2016 apresenta no Teatro Municipal de Marília o espetáculo “Lobo Solitário”, inspirado no livro “As Meninas” de Lygia Fagundes Telles (em versão masculina), com texto e direção de Francis Mayer.

O espetáculo, que integra o “Projeto Jovem Tour” traz no elenco Rodrigo Dorado (o Dinho Borba Gato da novela “Cúmplices de um resgate”), Lucas Malvacini (o Anjinho da novela “Amora à Vida”), Douglas Tavares (o Abner de “A Regra do Jogo”) e Diego Rosa.

Alternando humor e drama, em formato solo-confessional, “Lobo Solitário” busca empatia imediata e direta com o público jovem pelos gestos e alta temperatura do tom das palavras, como se fossem lembranças ou testemunhos, alternando humor, arrogância e fragilidade com solidão psicológica do seu protagonista, demonstrando seu pedido de socorro, desamparo. O tom confessional ganha profundidade para acentuar posição num duelo interior e impulso dramático. Com cenas curtas e ritmo cinematográfico, o autor se fixa na narração que resulta no efeito de contar e propor imagens fortes e bem-humoradas, às vezes como um âncora de um programa que decide revelar cenas da sua própria vida, como numa sessão de terapia.

O autor/diretor Francis Mayer, com profunda pesquisa, desvendou, sem hipocrisia, o mundinho fútil e sombrio de uma juventude rebelde e transviada, em contundente texto cheio de nuances, criando um personagem complexo que habita um universo impregnado de humor ácido, que expõe suas tragédias pessoais; e que cresceu em uma espécie de cativeiro psicológico.

“Lobo Solitário” funciona como um alerta para pais e filhos, e mostra o processo de autodestruição de alguns jovens de hoje (discutindo aí a responsabilidade social na prevenção ao uso de drogas e a dependência química) que são levados a uma oportuna reflexão.

Duração: 1h10. Livre para todos os públicos. Ingressos: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia), à venda na bilheteria do Teatro das 10h às 20h. No final do espetáculo haverá um sorteio de um jantar com o elenco para uma pessoa da platéia.

Fonte: Jornal da Manhã